Nau frágil

naufragil_elencoequipe
15977326_697344223775008_3419880062208983352_n
15977004_697344423774988_598735941568088286_n
15977092_697344093775021_7395175222101720266_n
15895299_697363337106430_2942048345754378709_n
15894926_697343977108366_6790856184972095631_n
15873171_697343433775087_818529416603086523_n

nau | s. f.
1. [Náutica] Navio de vela, de alto bordo, com três mastros e grande número de bocas-de-fogo, desusado actualmente.
2. Embarcação mercante de grande lote.
3. [Por extensão] Qualquer navio.
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

Uma embarcação se aproxima.
Nela, e com ela, histórias que devem ser contadas.

Como ao tirar objetos de um antigo baú, tira-se (e levanta-se) a poeira de antigas  dores, velhos dramas e traumas passados.

 

Da infância surgem brincadeiras, brincantes, brinquedos e - claro - medos.
Na juventude, afloram inquietações, relações e - sempre - vontade de experimentar.
A sorte é que, quando adultos, tudo se assenta. As águas se acalmam. (Será?)

Nau Frágil explora (ou navega?) tudo que molda o que somos.
E somos todos um pouco de tudo.
Um pouco crianças. Um pouco jovens. Um tanto adultos. Um pouco suicídas.
Um pouco doídos. Um tanto doidos.
Um pouco cheios de histórias a contar. Um pouco dispostos a ouvir.
Um pouco precisados de uma pausa.